Divulgação

IPCA: estudantes na final do EIA 2018

0 Partilhas
0
0
0
Este artigo foi publicado há, pelo menos, 4 anos, pelo que o seu conteúdo pode estar desatualizado

Divulgação

 

Três projetos de alunos do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) marcaram presença na grande final do European Innovation Academy (EIA). O evento decorreu em Cascais de 15 e julho a 3 de agosto. 

De um total de 90 equipas, os projetos COPITO e BELLAS, ficaram no top 10 de pitches/projetos do evento. 

[slideshow]https://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/G1c01c85e/21124427_0f88r.jpeg,https://c8.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/G5b080661/21124426_H9mfv.jpeg,https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/G4604ebb9/21124424_NbT6f.jpeg[/slideshow]

O projeto COPITO, que envolveu os estudantes Moisés Moreira (licenciatura em Engenharia e Desenvolvimento de Jogos Digitais (LEDJD) e Ana Catarina Lopes (ex-aluna LEDJD a frequentar o Mestrado em Ilustração e Animação (MIA)), consiste no desenvolvimento de um copo reutilizável para substituir os copos descartáveis. Usando uma “aplicação de companhia”, que motiva a utilização do copo em locais parceiros do projeto, o tempo médio de vida do produto é de dois ou três anos. “Os potenciais investidores têm reparado que a nossa abordagem ao problema é diferente e ficam interessados porque pode alterar o comportamento dos consumidores e fazer com que reutilizem efetivamente o copo”, refere a equipa. O COPITO acabou por ganhar um prémio de Pós-Mentoria pelo período de 1 ano pela EIA.

Por seu turno, o projeto BELLAS é uma app que agrupa serviços de estética. Desenvolvido por Gabriela Sá, aluna de MIA, “a ideia é, por um lado, ajudar as profissionais freelancer de beleza a impulsionar a sua atividade, atraindo mais clientes, e por outro, fazer com que a clientela consiga fazer marcações de forma simples e ter à disposição uma plataforma com estabelecimentos recomendados e confiáveis”, diz o IPCA em comunicado. Este projeto ganhou um Prémio Entrevista com a Alchemist Accelarator e um artigo de cobertura global na Innovation Academy Network. 

Outro dos projetos que recebeu um prémio foi o KODE4ALL. Beatriz Abreu, aluna de LEDJD do IPCA, em conjunto com Anam Ali (Irlanda), João Santos e Joana Monteiro (Portugal) e Camilla Leopoldino (Brasil) é  criar uma projeto em que coloque a programação “acessível a todos”. “A equipa acredita que a melhor forma é ensinar ciências da computação às crianças. Tal como aprendem matemática, ciências ou geografia, os mais novos deverão também ter oportunidade de aprender programação desde tenra idade.”, refere a instituição. O projeto conseguiu o Prémio Registo de Marca da Nixon Peabody. 

Para além destes três projetos, o IPCA marcou presença no evento com outros dois: o “FreeFrom App” (uma aplicação que liga pessoas com dietas especiais a restaurantes com capacidade para atender a essas necessidades) e o “Xplority” (uma aplicação turística “que pretende planear o dia do turista de acordo com os interesses pessoais e com o tempo que tem disponível na cidade”). 

“O IPCA está bastante satisfeito e orgulhoso pelo desempenho, esforço e dedicação de todos os participantes nesta primeira passagem (…) pela EIA”, diz em comunicado. 

Encontrou um erro ou um lapso no artigo? Diga-nos: selecione o erro e faça Ctrl+Enter.

0 Partilhas
Há mais para ler...