Direitos Reservados
Direitos Reservados

Reclamações no Portal da Queixa de utentes da saúde disparam 113%

Entre junho e julho, 41% das reclamações denunciam problemas nos serviços de ginecologia e obstetrícia. Hospital de Faro é a unidade de saúde com mais queixas.
3 Partilhas
3
0
0

As reclamações dos utentes relacionadas com constrangimentos nos serviços de ginecologia e obstetrícia registaram um aumento de 113% nos primeiros sete meses do ano, indica uma análise do Portal da Queixa. Só entre junho e julho, 41% das reclamações reportam problemas com estes serviços em várias unidades hospitalares do país.

Entre os principais motivos de reclamação apresentados pelos utentes: mais de 60% das queixas reporta a falta de qualidade de atendimento destes serviços (atendimento em urgência, atendimento em consulta, atendimento telefónico, etc.). Problemas com o parto é outra das causas apontadas.

Entre as unidades hospitalares que registaram o maior número de reclamações dirigidas ao serviço de Ginecologia e Obstetrícia estão o Hospital de Faro e o Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos. 

Casos no Portal da Queixa

Negligência, mau atendimento e até complicações no parto. Estas são algumas das experiências partilhadas por várias utentes no Portal da Queixa.

Existem denúncias de complicações com o parto numa reclamação dirigida à Maternidade Alfredo da Costa, onde a utente descreve o mau atendimento e prestação por parte da equipa médica. 

Uma grávida de 35 semanas reportou, na queixa dirigida ao Hospital de Faro, o facto de estar à espera há dois meses para fazer ecografia naquela unidade de saúde.

Uma outra grávida partilhou na sua reclamação a má experiência no atendimento que teve no serviço de urgência de obstetrícia do Centro Hospitalar do Barreiro-Montijo. 

O mesmo motivo deu origem à queixa registada por uma outra utente que relata a alegada negligência por parte de uma médica que a assistiu nas urgências do Hospital de Faro. 

“Falta de assistência, empatia e paciência no parto”, é o motivo da reclamação de uma parturiente contra o serviço da maternidade do Hospital de Vila Franca de Xira. 

Encontrou um erro ou um lapso no artigo? Diga-nos: selecione o erro e faça Ctrl+Enter.

3 Partilhas
Há mais para ler...